Novo plano de combate à violência contra as mulheres em Portugal

maxresdefault

O recente protesto das mulheres portuguesas contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em janeiro de 2017, trouxe novamente a lume o tema da igualdade de género e da violência contra as mulheres, que em Portugal tem gerado várias iniciativas, empenhadas na erradicação do flagelo.

Este é um dos temas que poderá aprofundar nos diversos órgãos informativos “online” e nas redes sociais, que hoje nos permitem passar palavra rapidamente e dar visibilidade a eventos locais e nacionais. Uma das formas alternativas de se aliar à tecnologia e de, libertando-se do stresse diário, poder gerar lucros que lhe permitam custear a participação em ações sociais semelhantes é a visita a aplicações como a android casino games, uma das modalidades de jogos de casino virtuais que se encontram à distância do seu telemóvel.

Os equipamentos móveis com acesso à Internet são uma das formas mais acessíveis de divulgar campanhas como a realizada no último Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, em 25/11/2016, em que o Governo português lançou uma campanha de sensibilização para o tema. Esta arrancou de Lisboa e percorreu o país, com o apoio de organizações não-governamentais.

Esta recebeu o nome “Comunidade Ativa contra a Violência”, tendo oportunamente divulgado os números mais alarmantes desta prática que em Portugal é crime público e é ainda bastante expressiva mundialmente. Recordou-se, por exemplo, que 35% de mulheres são vítimas de violência nalgum momento da vida, em todo o mundo, e que, em âmbito nacional, 85% das vítimas de violência doméstica correspondem ao público feminino.

Várias outras iniciativas estão na agenda do Governo, como a legislação para a instituição de quotas de género nos conselhos administrativos de empresas estatais e um programa de educação para os Direitos Humanos e a Igualdade de Género, que será levado às escolas públicas.